Como Fazer o Desfralde e Se Livrar das Fraldas?

October 9, 2017

 

 

 Clique aqui para fazer download na versão PDF

 

Como fazer o desfralde e se livrar das fraldas?

            O desfralde gera ansiedades, preocupações e incertezas nas mães e a alegria nos pais que não precisarão mais comprar fraldas e mais fraldas! A insegurança da criança junto a todos os anseios dos pais gera sempre um conflito nesse momento tão esperado.

            Para ajudá-lo nesse processo criamos um e-book com dicas e passo a passo para finalizar esse processo com sucesso e rapidez.

 

INICIALMENTE VAMOS AS DÚVIDAS MAIS CORRIQUEIRAS:

 

Qual idade recomendável para o desfralde?

            Entre os 20 e 24 meses, a criança começa a ter o controle sobre os, músculos responsáveis por comandar o ato de fazer cocô e xixi, portanto, nessa época é a hora de começar a pensar no desfralde. Vale lembrar que esse é um processo que pode ocorrer entre a idade de 1 ano e 8 meses e 2 anos e 3 meses, variando do desenvolvimento psicomotor de cada criança, e que as meninas, em geral, largam as fraldas antes que os meninos.

 

 

A criança dá sinais de que esta pronta para isso?

            Em primeiro lugar, a criança mostra gesticulando ou mesmo falando, que está incomodada com alguma coisa, por vezes até informando quando ela vai fazer xixi ou cocô ou até mesmo se esconde para fazê-lo, ou seja, a criança já entende os sinais do corpo sobre a vontade de fazer. Outra forma é quando a criança mostra interesse ou curiosidade quando ela está no banheiro com os pais também pode significar certo preparo. Além disso, acordar frequentemente com a fralda seca é outro sinal de que ela está pronta.

 

Qual maneira certa de fazer o desfralde?

 

            Antes de tudo, é extremamente importante ter paciência com a criança e respeitar o seu tempo, com naturalidade. Quando o processo for iniciado, é necessário que ele aconteça de uma só vez. Por exemplo, tirar a fralda diurna só em casa, mas, quando se vai ao shopping ou ao parque, colocá-la de volta pode confundir a criança, que não tem noção exata dessas diferenças de local e de estar ou não com a fralda, além de que, ela se frustra com sua independência castrada, pois de uma forma implícita, os pais agem a demonstrar que não confiam que ela é capaz de conseguir, muito cuidado, isso mexe com a autoestima da criança.

            Já tendo tirado a fralda, é interessante também notar o horário que a criança geralmente faz xixi e cocô para levá-la ao penico ou ao redutor de assento por volta dessa hora, isso nunca deve ser perguntado e sim um comando: “Vamos ao banheiro!” e NÃO: “Quer ir ao banheiro?”, pois até que se torne notório e hábito, a criança não verá necessidade de ir ao banheiro e sempre que questionada lhe dirá que não quer. No geral, recomendam-se tirar primeiro as fraldas diurnas para depois, por volta de 6 meses após, dar início ao processo do desfralde noturno, lembrando que, enquanto não for realizado o desfralde noturno, deve-se uma explicação à criança do porque ela estará usando fralda enquanto dorme.

            Um sinal de que a fralda noturna está prestes a se aposentar acontece quando a criança começa a amanhecer constantemente com a fralda seca. É interessante diminuir a quantidade de líquidos após as 17 horas e sempre levar a criança ao banheiro antes de se deitar. Caso ela continue fazendo xixi na cama nos primeiros dias, é necessário acordá-la e acompanhá-la até o banheiro em um horário específico durante a noite. Porém, não permitir que isso se torne um hábito.

 

Levantar para fazer xixi a noite?

            Antes de qualquer coisa, é sempre bacana fazer a criança ir dormir com a bexiga já vazia. Além disso, antes de deitar, é uma boa ideia conversar e explicar que se ela sentir vontade, mesmo durante a noite, tem que levantar e ir ao banheiro. O controle do xixi é uma coisa que vai se formando. Geralmente, a hora de fazer xixi acontece por volta de quatro horas depois da ingestão de algum líquido, e isso torna mais fácil saber a hora que a criança fará xixi durante a noite. Caso esteja vazando xixi durante a noite e até que a criança atinja um amadurecimento, uma idei

 

a é os pais se levantarem nesse período para levar o pequeno ao banheiro. No entanto, é importante que a criança se acostume a ir sozinha ao banheiro. Uma boa forma de treinar isso é fazer uma brincadeira, durante o fim de semana, na qual se coloca o despertador para tal hora – geralmente aquelas quatro horas após a ingestão de líquidos ou na hora que se reparar mais frequência do fazer xixi – e deixar a criança acordar sozinha e ir ao banheiro. Isso funciona como um desafio para ela. Os pais, no entanto, têm de acordar e acompanhar de longe, se possível.

 

Como agir quando a criança faz xixi ou cocô nas calças?

            Nada de nervosismo ou bronca! Ela está aprendendo e escapar de vez em quando faz parte. No entanto, é interessante fazer com que ela participe do processo da limpeza e que esse não seja imediato. Isso a ajudará a perceber o quão incômodo é ficar suja. Uma sugestão é pegar a calcinha ou a cueca e, juntamente com a criança, ir ao banheiro para ali limpar tudo. No caso do cocô, se possível, é interessante jogá-lo na privada e dar descarga como parte final do processo. Além disso, quando as crianças estão brincando, por preguiça ou por vontade de não parar o que se está fazendo, elas deixam de ir ao banheiro quando tem vontade, o que pode levar ao escape. Os pais podem ficar ao redor para lembrar e levá-los ao banheiro.

 

Existem crianças que têm mais dificuldade em largar as fraldas. Por que isso acontece:

            Cada criança é um ser diferente e especial. Cada uma tem o seu próprio tempo para criar maturidade emocional e estar preparada neurologicamente para o ato. No que diz respeito às questões físicas, o controle do esfíncter varia individualmente. Problemas no intestino, como ter ele preso, podem atrapalhar pela dificuldade natural que isso causa. Quanto ao emocional, vários pontos podem afetar como o fato de ter que fazer xixi e cocô toda vez no mesmo lugar – no banheiro –, falta de sintonia nesse aspecto entre os pais e a criança ou até a neura dos pais por limpeza: sempre que a criança vai ao banheiro ou acontece um escape, a reação é de extrema necessidade de limpá-la imediatamente. Isso pode causar um bloqueio.

 

Como fazer o desfralde de uma criança maior:

            Numa criança maior, o processo do desfralde continua sendo praticamente o mesmo, com adaptações de linguagem e tratamento, já que ela não é mais um bebê. Uma sugestão é, inclusive, fazer uma avaliação do sistema urinário para afastar possíveis patologias.
            Uma ginástica recomendada para o fortalecimento do esfíncter urinário pode ajudar no controle do xixi. Trata-se de dar dois ou três copos de água para a criança e, quando ela ficar com vontade de ir ao banheiro, pedir para que ela faça xixi aos poucos, com intervalos de dez segundos. O movimento de “abre e fecha” do músculo ajuda no fortalecimento e no consequente controle.

 

A criança passa a ter medo/receio de fazer cocô no penico. Por que isso acontece e o que fazer?

            Não se trata de medo ou receio do penico, e sim de estranheza. A criança está acostumada a ver seus pais usarem a privada e o penico pode causar algum desconforto por ser de uso exclusivo dela. Alguns penicos que cantam músicas ou fazem barulhos nem sempre são bem-vindos e podem acabar se tornando assustadores ou até serem vistos mais como uma brincadeira do que como parte do processo.
Vale lembrar que, mesmo quando ocorre alguma estranheza quanto a isso, é importante que, mesmo com as fraldas, a criança vá ao banheiro ao sentir vontade de fazer xixi ou cocô. Dessa forma, ela vai se acostumando com o ambiente, até que suas angústias quanto ao penico (ou a privada) sumam.

 

 

Como detectar um problema no controle do xixi ou do cocô?

            Uma criança que está bem emocionalmente e, mesmo assim, com três ou quatro anos – ou até mesmo 5 – ainda não respondeu aos estímulos do processo de desfralde, pode apresentar algum problema e deve ser procurado o auxílio médico. No entanto, é sempre bom lembrar que, no processo de largar as fraldas, cada criança reage individualmente. Alguns problemas podem acabar se originando devido à neura dos pais.

            Perguntas como “Vamos fazer cocô?”, “Você quer fazer cocô?”, “Ai, acho que a gente tem que ir fazer cocô…” em excesso podem acabar despertando na criança algum tipo de desespero que provavelmente será convertido em bloqueio. Nesse mesmo sentido, desapreciar o cocô da criança, alegando o mau cheiro, mesmo que ironicamente, pode levar aos mesmos resultados. Crianças não entendem o sarcasmo. Com base nisso, ela só quer fazer cocô escondido, na fralda, e fica segurando até não aguentar mais, o que pode ressecar as fezes e causar a constipação, entre outras coisas.

 

 

Crianças que têm intestino preso podem ter mais dificuldade no desfralde?

            Ter o intestino preso pode, eventualmente, acabar dificultando o desfralde pelo fato de que, com as fezes ressecadas, a evacuação se torna mais dolorosa e, em consequência disso, a criança evita ao máximo fazer cocô pelo medo da dor, o que acaba a levando a um ciclo vicioso. É importante, portanto, procurar regular o hábito intestinal dela, o que inclui também mudanças alimentares.

 

 

 

O que é a fase anal? Ela tem a ver com o desfralde ou não?

            A fase anal acontece quando a criança começa a controlar o esfíncter. E esse controle se transforma em uma nova fonte de prazer. A criança aprende, por exemplo, que isso lhe traz a atenção dos pais e, mais do que isso, a relação de poder ter tal controle constitui primeiramente o domínio do seu próprio corpo e, em consequência, do mundo.
         

 

   Parte da confusão que pode acompanhar essa fase é a aparente contradição entre o elogio recebido pelo controle e a ideia de que ir ao banheiro é sujo e que suas fezes e sua urina não são apreciadas. Como o cocô e o xixi são uma produção da própria criança, ela pode interpretar como uma rejeição essa ideia.

 

Uma criança mais velha (quatro ou cinco anos) ainda faz o uso de fralda. Isso pode ter algum impacto no seu comportamento ou desenvolvimento psicológico?

            Sim. Como o controle do xixi e do cocô é fortemente influenciado por questões sociais, a criança pode acabar tendo alguns prejuízos nessa área, como a infantilização e a baixa autoestima. Nessa idade, o menino e a menina já percebem que algo diferente acontece com eles em relação ao que afeta seus amigos.

 

O que é mais recomendável: o penico ou o redutor de assento?

            Ambos são recomendados. Aquele no qual a criança se sentir mais confortável deve ser o escolhido. O redutor de assento faz com que a criança já se acostume que o lugar certo de fazer xixi ou cocô é no banheiro e não em qualquer lugar da casa, como ocorre com o penico.         No entanto, o penico faz com que a criança se encaixe melhor, estando numa posição mais confortável para a evacuação, diferente do redutor, onde ela fica “pendurada”. Além disso, a descarga pode assustar.

 

 

É normal uma criança retroceder no processo de desfralde e, de repente, voltar a fazer xixi nas calças? Como agir?

            Geralmente, os retrocessos estão ligados a distúrbios emocionais ou à alta ansiedade. Por exemplo, é normal que crianças que acabaram de ganhar um irmãozinho novo voltem a fazer xixi na cama para se sentirem bebê novamente e tiver a atenção dos pais. Separação, períodos em que a escola está cheia de atividades e quando se começa a dormir na casa de amigos podem ser marcos que desencadeiam o regresso.
            Tirar a fralda muito precocemente pode acabar sendo a razão para esse regresso também. A criança não estava preparada neurologicamente e, depois, começa a apresentar esses sinais.

 

Algumas crianças podem demorar muito tempo para se adaptar à vida sem as fraldas?

            O processo de desfralde dura, em média, de dois a três meses. Os escapes são naturais, mas tendem a ir diminuindo conforme o amadurecimento. Demorar muito mais tempo do que isso pode significar o desinteresse da criança ou outro distúrbio emocional.

 

O acompanhamento dos pais nesse processo de desfralde é importante?

            Sim. Isso traz segurança e tranquilidade aos pequenos. Por esse mesmo motivo, a paciência é um ingrediente mágico nessa fase. A neura, a angústia ou a aflição por parte dos mesmos podem vir a ser prejudiciais para a criança. É bacana também trazer a criança para perto

 

de si e elogiar o xixi e o cocô, limpar juntos a calcinha ou a cueca em caso de escape, dar tchau para o cocô etc.

 

Tirar a fralda cedo pode ser prejudicial à criança?

            Sim. O despreparo e a imaturidade podem gerar ansiedades, que voltam a se manifestar futuramente em escapes constantes quando mais velha, por exemplo.

 

 

 

 

 

Dicas de leituras indicadas para esse processo

 

1) Cocô no Trono | Benoit Charlat, Companhia das Letrinhas.

Um livro vistoso, em formato grande, cheio de ilustrações envolventes, que conta a história de um pintinho que fica tirando sarro dos outros animais, enquanto esses estão no trono, de acordo com os diferentes tipos de cocô de cada um. Até que chega à hora de o próprio pintinho aprender a sair do pinico para usar a privada, como gente grande, com o apoio de todos os animais. No final, cabe à criança ativar a descarga, através de um sinal sonoro.

 

 

 

 

2) Vamos Usar o Peniquinho | Beatriz Matiotti Odriozola, Editora Leitura.

Pequeno e compacto, Vamos Usar o Peniquinho ensina por meio de uma historinha em forma de rimas e com muitas ilustrações que usar o penico é uma tarefa de gente inteligente. Vários bichinhos sabem usá-lo, inclusive o menino e a menina.

 

 

 

 

 

 

3) Hora de Fazer Xixi, Antonio Hohlfeldt, Editora Sulina.

O livro Hora de Fazer Xixi ilustra, com um texto bem compacto e imagens grandes e chamativas, as dúvidas, os questionamentos e as inseguranças que passam na cabeça das crianças que acabaram de largar a fralda e ainda estão se acostumando com a ideia de ir ao banheiro, mostrando a estranheza e a timidez que isso pode vir a causar.

 

 

 

DVDs indicados

 

1)O Urso na Casa Azul - Crescendo e Aprendendo | Walt Disney.

De uma maneira muito didática e divertida, em conversas com o espectador, músicas superanimadas e situações do dia a dia, o primeiro capítulo de Crescendo e Aprendendo, da coleção O Urso na Casa Azul, abrange muitos dos temas compatíveis com as dúvidas e inseguranças relacionadas à hora de ir ao banheiro. O Urso e seus amiguinhos mostram que é possível parar de fazer o que se está fazendo para ir ao banheiro e depois voltar de exatamente onde se parou, ensinam todas as etapas desse processo, mostram depoimentos de crianças que já não usam mais fraldas e se sentem muito bem, e o que fazer quando não aguentar chegar ao banheiro ou quando se estiver fora de casa, entre outras situações. Vale à pena!

 

 

2)Adeus, Fraldas, Adeus, Sergi Càmara | Escala Educacional.

Daniel tem muito medo de fazer cocô em outro lugar que não na fralda, mas, junto de seu pai, aprende que não há erro nem problema algum nisso e que é importante deixar a Dona Cocô ir embora pela descarga para encontrar sua família. O livro conta com um guia de oito páginas para pais e professores com informações importantes sobre o significativo momento do desfralde e assuntos relacionados com o antes, o durante e o depois desse processo.

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter