O que dizer no lugar do ‘não’? Psicanalista dá dicas propositivas.

July 11, 2019

Segundo a psicóloga Carol Lopes, o “não” é uma palavra poderosa e não deve ser desperdiçado.

 

Mexer em produtos de limpeza, rabiscar as paredes da casa, abrir a gaveta dos remédios e rasgar as páginas daquele livro que você ganhou de aniversário. Bom, se as famílias forem dizer “não” para todas as travessuras que as crianças de um a três anos costumam fazer, podem passar o dia repetindo essa palavra. Afinal, escutar a criança pressupõe um diálogo ativo, em que nem sempre o saldo é o “não”. Muitas pessoas podem achar que essa escuta é sinônimo de fazer as vontades da criança, mas não é o que psicólogos defendem.

 

É o que atenta a psicóloga e psicanalista Carol Lopes, em entrevista para o nosso parceiro Criar e Crescer. Segundo ela, existem dois tipos de situações que devem ser diferenciadas e que pedem respostas distintas. Ela convida mães, pais e cuidadores a fazer este exercício de separação.

 

 

Quando usar o ‘não’?

 

A primeira situação envolve aqueles momentos em que o “não” pode ser evitado, por exemplo, rabiscar as paredes da casa. Neste caso, de acordo com Carol Lopes, a sugestão é pegar um papel e direcionar a criança para um espaço em que ela possa pintar, escrever e rabiscar livremente. A ideia aqui é substituir a negação pela afirmação.

 

“Isso evita o ‘não’ e mostra que ela ‘pode’”, afirma.

 

Já a segunda situação envolve casos em que o “não” se torna fundamental, pois pode envolver riscos graves ou outras questões que as crianças não podem ignorar.

Mas negar não significa ser ríspidos. Nestes momentos, a psicóloga sugere ser firmes e amorosos e “embarreirar o estímulo”. Isso significa, por exemplo, que se alguém diz “não” para uma criança que quer mexer na tomada e mesmo assim ela continua a ação, uma opção é ficar com a mão na frente da tomada (estímulo) até ela desistir.

 

“Ela precisa desistir para entender que aquilo não pode”

 

Ambas as situações, de acordo com ela, são importantes para o aprendizado e crescimento da criança, pois ela passa a assimilar significados como os de hierarquia, regras sociais e convivência coletiva.

 

FONTE: LUNETAS.COM.BR

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Como surgiram os museus para crianças e sugestões para conhecer.

February 27, 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes